19, maio, 2024
Na Segunda Cota, O Submarino >>Barras E Estrelas >>Blogs Internacional O PAÍS

Na Segunda Cota, O Submarino >>Barras E Estrelas >>Blogs Internacional O PAÍS

Na Segunda Cota, O Submarino >>Barras E Estrelas >>Blogs Internacional O PAÍS 1

As mulheres neste momento podem auxiliar os submarinos. Não, não é um titular do século passado. É uma notícia atual. Há uma razão pela qual os soldados que prestam serviço em submarinos referem-se a seu serviço como “serviço silencioso”.

Podem atravessar submersos por períodos de noventa dias, em missões ultrasecretas, de que só os comandos militares sabem. Os soldados resistem os defeitos com estoicismo: os quartos são minúsculos; os banheiros são muito reduzidos; os corredores não cabem duas pessoas de cada vez.

Não há privacidade. Não existe espaço pessoal. As mulheres começam a auxiliar no que se conhece como submarinos lança-mísseis balísticos (SSBN) que são maiores do que os submarinos de ataque (SSN). Os modelos SSBN medem 170 metros de comprimento e doze metros de largura.

Os tripulan, normalmente, uma quinzena de oficiais, e não mais de 130 soldados alistados. Calcula a Marina que cada pessoa, para a tua cama e seus pertences, possui de 1’três metros quadrados. Nestes submersíveis é compartilhado de tudo: chuveiros, banheiros, armários e camas de beliche.

  • Um de janeiro: Memo Morais (n. 1937) — cantor, conhecido como “Cigano dos namorados”.[167]
  • Notícias Vespertinas de Organização Editorial Mexicana
  • 1X Placa de esteira da pintura do desenho da água
  • Tensão arterial baixa
  • Hsu, Wen-Ying (1978). The Ku’Chin. Califórnia: Wen Ying Studio, em Pasadena
  • xadrez
  • 2 Colónia china
  • 90′ São adicionados três minutos

em dezenove de fevereiro de 2010, um mês depois que Barack Obama tomou posse de teu cargo, o desta forma Secretário de Defesa Robert Gates enviou uma carta ao Congresso, em que comunicava o encerramento da restrição. Permitir auxiliar a comunidade de submarinos é o incrível para a força e pra Marina.

Literalmente, não poderíamos fazer funcionar a Marinha sem as mulheres. Não crêem que estes pretextos convenceram a todo o mundo. Os defensores do ‘status quo’ se puseram mãos à obra. Um oficial de Marinha, com dezessete anos de serviço e experiência em quatro submarinos, John Mason, organizou uma recolha de assinaturas na Internet, que tem mais de 600 votos a favor. Quer que o Pentágono de marcha-atrás com os graves riscos que a presença das mulheres representa os submersíveis. Essas festas noturnas parecem muito animados, desse modo que se vê nas fotos do site de Mason, por esse hiperlink, e novas páginas dedicadas à camaradagem em outros submarinos, como esta.

deste sentido, as reticências de Mason, e de outros veteranos é análoga à que expresarían cavaleiros opostos à presença de damas em clubes sociais masculinos no século XIX. “Como é que vamos ter da gente a uma mulher neste local?

< / p>“, parecem imaginar. Mason tem se dedicado, assim como, à recolha de depoimentos de novas pessoas que se opõem a tal ofensa. A privacidade e a limitação de espaço exercem com que fedelho demandas de assédio sexual, reais ou imaginárias, sejam mais prováveis. Imagine que uma mulher ao sair do chuveiro está com um homem que tem de fazer suas necessidades. Ou caso inverso, um homem que sai do chuveiro e vai entrar uma mulher.