19, maio, 2024
Para Onde Vai A Literatura?

Para Onde Vai A Literatura?

Para Onde Vai A Literatura? 1

Abellán, J. L. (1971). A cultura em Portugal. Azeda Extremiana, A. (2005). Dois caras desconhecidas de Rubén Darío: o poeta e maçom e o poeta inédito. Almela Boix, M. (2006). A novela histórica espanhola ao longo do século XIX. Em J. Júri Morais (coord), Reflexões sobre o romance histórico (pp.

Salvador: Serviço de Publicações da Universidade de Cádiz. Avilés Farré, J. (1996). O romance como fonte para a história. Baroja e Nessi, P. (1982). Memórias, t. V, A intuição e o estilo. Barthes, R. (2002). Variações a respeito da literatura. Barthes, R. e outros (1976). Escrever O R. Barthes e outros, como

  • Doutor honoris causa da Universidade Inca Garcilaso de la Vega (2012).[37]
  • 9 O coelho Branco (capítulo 6)
  • quatro Reitor-Fundador da Universidade Aberta da Catalunha (UOC)
  • 26-vinte e sete de novembro: Se reúne em Londres, o Conselho Europeu
  • Mensagens: 6.694

Para onde vai a literatura? Caracas: Monte Ávila Editores. Becker, H. (2011). Manual de redação para cientistas sociais. Como começar e terminar uma tese, um livro ou um artigo. Buenos Aires: Século XXI. Behiels, L. (1999). A estética de contrastes do P. Luis Coloma em Ninharias. Em M. Steenmeijer e L. Behiels (coords).

Assimilações e rejeição. Presenças do Romantismo, do realismo português do século XIX. Belmonte Serrano, J. (2005). Introdução. Em L. Coloma Roldán, Ninharias. Lisboa, Col. Clássicos 18, Mare Nostrum, pp. Branco Rodrigues, J. A. (1996). A atuação de josé Martí contra os espanhóis e a presença deles no Exército Libertador cubano. Em J. P. Fusi e A. Criança (Eds), Antes do desastre: Origens e antecedentes da crise de 98 (pp). Introdução à história, cidade do México, Fundo de Cultura Económica. Canal Morell, J. (2014). A história é uma árvore de histórias.

Historiografia, política, literatura, são paulo: PUZ, editoras Universitárias, Universidade de Zaragoza. Canal Morell, J. (2015). O historiador e as novelas. Charques Gámez, R. (2014). O escritor missionário. Ideologia e criação literária em o pai Coloma. Em J. Gómez Urrutia e D. Thion Soriano-Mollá (Eds), De escravo a servidor. Literatura e comunidade (1825-1930) (pp.

Buenos Aires, Espasa Calpe, Col. Austral nº 413; (1987), edição de Rúben Benítez. Madrid, Cátedra, 5ª ed.; (2005), edição de José Belmonte Serrano. Madrid, Mare Nostrum; (2014), edição de Antonio Morais Moya. Díaz Freire, J. J. (2015). Miguel de Unamuno e Bilbao.